Olheiro

O calendário do futebol brasileiro em 2019

É chover no molhado falar que o calendário do futebol brasileiro é um dos piores do mundo.

Os saudosos campeonatos estaduais, que aumentam a desigualdade entre os times grandes e pequenos, mais trazem preocupação com lesões do que torcedores aos estádios. O próprio Paulistão, o campeonato estadual mais rico do país, só é viável por causa dos quatro times grandes.

Em 2019, pouco mudou. Assim como em 2018, um torneio de seleções interromperá o principal campeonato do país e os times da Série A farão dois jogos por semana por muitas vezes.

Enquanto na Europa, os times de elite dificilmente fazem mais de 60 jogos no ano, no Brasil é comum que um time ultrapasse a marca dos 70 jogos.

Em 2019, teremos times que podem bater a marca dos 80 jogos no ano. O Bahia, se for para todas as finais dos campeonatos que disputar, poderá fazer 88 jogos.

O inchadíssimo Campeonato Catarinense, com a primeira fase sendo disputada em turno e returno, obriga Chapecoense e Avaí a disputarem no mínimo 18 jogos. Nenhum outro time vai se desgastar tanto no campeonato estadual quanto os dois. Apenas os dois finalistas do Campeonato Paulista também farão 18 jogos.

Entre os estaduais que possuem times da Série A, os mais enxutos são o Alagoano e o Cearense. Caso CSA, Fortaleza e Ceará caiam fora logo na primeira fase, algo difícil de acontecer, eles terão disputado apenas sete jogos. Além disso, os três times e o Bahia também tem a Copa do Nordeste a disputar.

Os Campeonatos Estaduais já tiveram seu auge, mas hoje são um obstáculo no planejamento dos times. Entre acabar com os Estaduais ou realizar uma reformulação drástica, a opção escolhida é aquela que faz o futebol brasileiro ficar cada vez mais atrasado: deixar tudo como está.

Esse projeto foi orgulhosamente criado por Augusto Oazi